Periodicidade de publicação de poemas

Caros leitores:
Espero que desfrutem na visita a este espaço literário. Este sítio virtual chama-se “Maria Mãe” e tem como página principal os poemas de Maria Helena Amaro.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Para ti...


(Fotografia de António Sequeira)

Aos quinze anos
ninguém se mata por desgosto de amor
nem por não ter fatos para vestir
nem casa luxuosa
ou ricos pais...
Ninguém se mata
aos quinze anos
por achar que o mundo é tão estreito
tão amargo
tão egoísta e feito
de bolas de sabão
para meter no peito...
Aos quinze anos
talvez o Nelson escuteiro
não encontrasse o som
do carinho, do amor, da amizade
no grupo social
onde estava inserido.
Sofreu com amargura
calado e cabisbaixo
todos os movimentos negativos
que o deitaram abaixo...
Sem gemido.
Aos quinze anos
ninguém se mata por desgosto de amor...
Quando a luz se apaga
nessa idade de ternura e zelo
quem vai ser acusado?
É a a falta de apoio
de quem ama e não ama
que inventa a tragédia
e que desvenda a causa
com ultrajante véu...

Ninguém se mata na idade da fé...
Quem foi? Quem quis?
Quem lhe indicou o céu?

Maria Helena Amaro
14/01/2014


Sem comentários:

Publicar um comentário